terça-feira, 22 de abril de 2014

MIRABAI/ BARAKA/ MOVIMENTO D-FESTIVAL DE DANÇA DE BRASILIA

MIRABAI/MOVIMENTO D-FESTIVAL DE DANÇA DE BRASILIA

26 DE ABRIL
TEATRO PAULO GRACINDO- SESC - GAMA
20: HORAS



 Pensar o verbo e não o substantivo, a ação como foco, no movimento integrado.
   Antonin Artaud, ( 1898, 1948) ator,poeta e encenador Francês, depois de assistir a dança Balinesa ficou totalmente impactado com a riqueza imagética, ritualística e onírica  que emergia dos dançarinos.No livro o Teatro e o seu duplo ele escreve sobre o teatro da Crueldade,  e sobre a ditadura do texto ou o textocentrismo.

   Entre os elementos teatrais mais combatidos estão a visão do teatro como entretenimento; a caracterização psicológica dos personagens; a valorização exagerada do enredo; e o predomínio da dramaturgia em relação à encenação. Propõe ainda: um teatro físico, centrado na experiência corpórea dos atores e, por conseguinte, também do público; a interação entre atores e espectadores; o fim da divisão entre palco e plateia, com a encenação ocupando todo o espaço; um espaço teatral não tradicional (espaços adaptados, galpões, igrejas, hospitais ou quaisquer outros lugares que a encenação demande); e, sobretudo, o teatro visto como experiência ritualística, destinada à cura das angústias e à reintegração do homem à sua totalidade física e espiritual.
   A experiência da dança como experiência transcendental, atemporal,sem tempo e espaço.Dançar como se fosse a última vez para despertar a urgência da vida, do encantamento de pertencer à espécie humana.



Nenhum comentário:

Postar um comentário

DANÇA DA CHUVA

Estou pesquisando sempre o eixo que emana na transição do efeito da dança na dançarina e o trabalho da dançarina sobre si mesma. Um c...