terça-feira, 11 de julho de 2017

KALI

Realizei uma vivência para um grupo de mulheres tendo como tema a Deusa Kali. Sugeri que cada mulher antes da aula escrevesse o que significava a língua para elas, no sentido amplo o que estava preso,contido ou o que foi falado sem pensar, ou até o não dito. Muita coisa foi revelada nesta breve roda de conversa,onde muitas vezes somos esmagadas pelo simples fato de sermos verdadeiras e revelarmos o que sentimos. Comecei a oficina trazendo esta deusa guerreira que é representada com a língua de fora, vencendo os demônios com armas,sangue. Sua representação simbólica é vasta porque ela é negra,nua, exibe um colar de caveiras e uma saia de braços, carrega nos braços segurando com as mãos cabeças decepadas,espada, laço, enfim armas, por outro lado é a grande mãe, aquela que não permite a violência contra a mulher, que nos mostra a importância de termos garras e ao mesmo tempo flores e delicadeza nas mãos. Neste círculo de mulheres senti a beleza dos encontros das mãos em forma de garras, das flores emanando de cada gesto das mãos, das pétalas caindo sobre nosso colo e a alegria de sermos mulheres. E quando ensinei os gestos de Kali,todas nós entramos no nosso reino das sombras e cortando cabeças e infinitos nãos que ouvimos da vida, eu vi nosso coração doendo despedaçado até as nossas ancestrais, mas também vi dores convertidas em lágrimas e agradecimentos por sermos quem somos. Somamos poesia, cantos e celebração em forma de emoção e a sintonia com a alma que precisa se construir, honrar o masculino e a descoberta de que o precisamos nesta vida, além de conhecer nossa força e delicadeza é encontrar nossa terra, nossa raiz e olhar para a nossa intuição,acreditar na potência do invisível, do sutil.Foi com grande alegria que me despedi destas mulheres guerreiras do coração, levando um pedaço da alma de cada uma dentro de mim, todas elas agora dançam comigo, porque cada tecido que bordo dentro de mim, tem guardado uma perda, uma dor, uma alegria, um abuso, um parto, uma vitória, enfim uma dança de essências que se misturam e me transformam numa mulher. Como disse Simone de Beuvoir( 1908-1986) " Não se nasci mulher, torna-se"

Nenhum comentário:

Postar um comentário

A MANIFESTAÇÃO DO SAGRADO NO VÔO DOS PÁSSAROS

Esta semana ministrei uma oficina com o tema a manifestação do sagrado no voo dos pássaros. Era um grupo composto por um grupo de te...