quarta-feira, 28 de junho de 2017

IMAGINAÇÃO NA ESCOLA

O escritor José Saramago afirmou que é preciso sair da ilha,para regressar à ilha e ressignificá-la, não foi exatamente como ele disse, mas gostaria de citá-lo como meu primeiro pensamento de consolo, depois da experiência que vou relatar hoje. Fui convidada junto com uma professora a ajudar crianças da faixa etária dos nove aos 12 anos a criar uma coreografia para uma apresentação; como a única referência e identificação que os estudantes tinham era o funk, hip hop e dança de rua, resolvemos colocar alguns elementos,apesar de não dominarmos estas técnicas. O que me chamou a atenção foi a total paixão que eles nutriam por estas danças.E muito mais surpresa também foi quando eu pedi para ouvir as letras, que prontamente foram cantadas em coro por eles. Fiquei parada cercada pelos estudantes, ouvindo as músicas que mais pareciam crônicas sobre o cotidiano deles. Não conseguia conciliar meu olhar para aqueles rostos suaves e olhares pueris, com o peso daquela narrativa que mais parecia o jornalismo que é veiculado na televisão e em tabloides baratos, com o seu desfile de morte, traição, injustiças e desventuras. Cuidei bastante para não criticar e ao mesmo tempo acolher. Me chamou a atenção uma música que dizia que a único desejo de uma certa personagem era casar e ter uma família tradicional, encontrar o seu grande amor, casa e quando fica grávida morre no parto e outros desfiles de mazelas que nem cabem neste pequeno texto. Como que em pleno ´seculo XXI ainda existem identificação das meninas com uma vida sem objetivo e sonhos de mudar o mundo? Porque não acreditam mais?Na minha opinião falta o mergulho no simbolo.Fiquei com a alma pequena, tentando perceber quando foi que mataram a imaginação na escola. Ou quando foi que o mundo subjetivo e as emoções coloridas brotadas e embaladas por sonhos perderam a necessidade de beleza tão inerente à condição humana, como um ser humano pode viver tendo perdido a capacidade de se encantar? Sem saber que seu corpo é sua casa e sua grande fonte de descobertas? A supremacia do pensamento é uma ilusão.Não estou sendo categórica e fico torcendo para que algum projeto bem mágico esteja acontecendo em alguma escola neste momento, mas são minorias. Eu me pergunto se faz sentido decorar tanto conteúdo, sem a experiência no corpo. Acredito que a escola precisa incluir o papel do corpo como matéria-prima no aprendizado,a imaginação precisa voltar a ocupar os bancos da escola, o lúdico e aquilo que nos faz construir memória e aprendizado sobre o outro e sobre nós mesmos. Precisamos escutar nosso corpo, nossas emoções e principalmente olhar a vida com lirismo. E a arte é um caminho para que possamos mergulhar nos símbolos, mitos, lendas e tudo o que possa aquecer nossa alma, e tornar o mundo um lugar quentinho e suave,mesmo que seja só na nossa imaginação.

2 comentários:

A MANIFESTAÇÃO DO SAGRADO NO VÔO DOS PÁSSAROS

Esta semana ministrei uma oficina com o tema a manifestação do sagrado no voo dos pássaros. Era um grupo composto por um grupo de te...