Translate

sexta-feira, 16 de junho de 2017

ADORÁVEIS IMPERFEITOS

A psiquiatra e médica Nise da Silveira disse que gente curada demais é muito chata. Refleti muito sobre esta afirmação. Eu queria muito numa fase da minha vida ser bem certinha. Acreditava que se fizesse tudo "certo", se é que existe um jeito certo de fazer alguma coisa, seria mais amada, mais feliz e encontraria meu lugar no mundo. Mas o tempo foi passando e fui percebendo que errada estava certa, e que meu esforço para ser perfeita em tudo para ser amada era uma troca injusta. Assisti um filme Francês chamado Marguerite sobre uma mulher muito rica nos anos 20, apaixonada por ópera que cantava muito desafinado. Ela tinha um círculo de pessoas que assistiam seus recitais desafinados e todos fingiam que gostavam, mordomos, o marido, todos encantados com a pureza daquela mulher livre e feliz, mas ouviam seu canto com muita dificuldade. Um dia ela resolve para desespero de todos, cantar num grande teatro com uma platéia isenta de bajulações. Sua vontade de de compartilhar beleza era muito grande, o objetivo dela não era ser famosa e aplaudida e sim tornar a música viva na alma das pessoas, como era para ela. Sua trajetória inspira porque o filme nos coloca naquela posição de enfrentamento e nos desperta a vontade de continuar mesmo sendo incompletos e imperfeitos. O filme é inspirado numa história real e apesar dela ter sido considerada a pior soprano do mundo nos encanta, por seguir fazendo o que acreditava. No filme até tem uma personagem que é uma cantora linda, que canta perfeitamente que tem ótimo caráter e ainda é pobre, tem tudo que seria de argumento para gostarmos dela. E no entanto o improvável acontece. Achei a perfeição dela sem graça e chata. Quanto tempo de minha vida busquei uma excelência fora do normal. Eu tenho meus medos assumidos, meus receios de errar e sempre que vou entrar em cena peço para morrer, parece que não irei sobreviver à experiência, de me lançar para o espaço vazio e quando mergulho acabo saindo viva. Ainda vai levar um tempo para me lançar no palco da vida, caminhar sem medo de errar, viver o instante com a certeza de que posso errar, sem imperfeita e mesmo assim serei amada.E que esse amor transborde dentro de mim e que chegue aquele momento onde não vai fazer diferença a opinião de ninguém, porque me assumo como eu sou, com minha sombra e minha luz. A beleza do humano consiste em seguir fazendo o que o coração pede, para continuar imperfeitamente feliz.

quinta-feira, 8 de junho de 2017

AFAGOS NA ALMA

Somos feitos também de energia e vibração.A dança tem a materialidade do corpo como suporte para realizar a experiência do sentir o sutil. Isso acontece quando o corpo começa a ser visto como experiência de crescimento e liberdade. Quando sentimos nosso corpo acontece a experiência de sentir a energia pulsar dentro do corpo. É muito bonito ver o nosso corpo despertando para sensações mais sutis. A delicadeza de ver a energia percorrendo pelo corpo trazendo vida, sentido, entendimento, emoções. É outro universo que se abre, são novas conexões e a organicidade que se amplia.Mudamos o nosso diálogo com o espaço e o tempo, nosso ritmo. A riqueza maior é olhar a vida através do sutil, do inominável, do não dito. Uma pessoa quando chega num espaço ela o modifica e esta dança de energias ocorre de uma forma muito nebulosa e quem não tem uma conexão e não busca nenhuma trabalho corporal ou energético acaba prisioneiro de energias desconhecidas e recebendo uma carga de informações sem saber como ela pode afetar sua própria energia, humor e bem estar. Portanto é importante desenvolver uma escuta do corpo e dos caminhos da energia, muitas vezes não nos sentimos bem em certos ambientes, ou alguém nos faz passar mal, ou chega aquela tristeza sem motivo.Somos diariamente mergulhados neste mar de pensamentos e jogo de sombra e luz. A proteção vem de uma vida com mais consciência e o aprendizado do invisível. A física quântica já nos revela que através da ciência o que arte e a espiritualidade vem informando há milênios, que somos feitos de energia e temos um campo energético que contém informações sobre todos os que convivem no mesmo espaço e tempo. A dimensão e a importância de incluir o corpo, a mente e a alma numa mesma manifestação é o que garante perceber pessoas,lugares,cores, vibrações e o olhar além das aparências.Muitas vezes a crise de percepção e do sentir da contemporaneidade está associada a super valorização da palavra em detrimento da pausa e do silêncio. Na minha experiência um simples olhar verdadeiro pode afagar uma alma.

quinta-feira, 1 de junho de 2017

UNIVERSO FEMININO

Pesquisei aspectos do universo feminino para compor o meu espetáculo de dança Baraka, busquei uma visão sem fronteiras e fui adentrando as contradições e princípios comuns que nos unem em diversas culturas. O resultado foi um aprendizado sobre como ser mulher é um desafio constante em qualquer cultura. Até para as mulheres em contextos sofisticados a dificuldade de ter sua alma respeitada é enorme. Uma civilização que até hoje usa o corpo da mulher como objeto, arma de guerra, faxina étnica, escudo humano. Lembro que nesse espetáculo, a abordagem sobre o amor costura cada cena e nos envolve numa atmosfera de lirismo e força. Começo falando de uma mulher que busca a sua presença, e o direito de estar em si mesma no seu valor.Em outra cena o assunto é o corpo e a relação com a sua fragmentação,danço partes separadas do corpo, só os pés, as mãos e cada gesto separado mostra uma alma pedindo para ser inteira na fragmentação, o corpo como um manifesto,um ritual de pertencimento. Todas as cenas são ritos baseados em mitos que declaram a força e urgência do feminino.O arquétipo que transcende qualquer definição e rótulo, sobre como deveríamos ser, ou nos comportar. Está em cena a mulher selvagem que ama com paixão, que chora suas dores, que luta para sobreviver e se costura por dentro sempre que está machucada. O projeto BARAKA é de 2008 e continua muito atual. Vejo a cultura do estupro muito forte e no caso do Brasil, está totalmente inserido em todas as camadas sociais, com a conivência da mídia e da publicidade que continua usando o corpo da mulher como mercadoria. Estamos assistindo a seres bárbaros em todo o mundo, vendendo como mercadorias para serem escravas sexuais,ou como propriedade de uso coletivo, meninas sendo sequestradas para esse fim, virgindades sendo leiloadas, infâncias roubadas dentro dos tradicionais lares. O fato é que não vamos parar de denunciar essa sangria, e a luta pelo direito de existir sempre vai prevalecer sobre a covardia. Fragilidade não é o nosso nome, que me perdoe Shakespeare. Nosso universo é cheio de mágica, de afeto, de vontade de cheirar flores do campo. E temos uma capacidade muito grande de levantar a cabeça, mesmo que o grito esteja sufocado, até ele sair inteiro acordando a floresta, a cidade e quem estiver surdo para entender. Eu termino com um grito,que nosso corpo, dança, sabedoria e a que a alma feminina seja celebrada e honrada.