domingo, 21 de maio de 2017

DANÇAR O EFÊMERO

A dança que transmite a intensificação da vida, e a presença das sensações. A dança orgânica necessita da escrita do corpo, de ouvir o corpo, como se todos os poros fossem ouvidos, trazendo intensidade e vivência. A pausa no repouso. A energia não corresponde necessariamente a movimentos no espaço. Quanto mais a dançarina busca intensidade e consciência, maior é a sua capacidade de ser a mensagem. Seus movimentos atingem diretamente o coração do público sem hermetismos. A linguagem da dança é universal quando a técnica é um veículo e não um fim. A dança quer existir no presente. A poética do efêmero, o que importa é a experiência coletiva de sonhar publicamente. Bertolt Brecht ( 1898-1956) um dos maiores homens de teatro do século XX, dramaturgo, encenador e teórico, afirmou que o teatro que quer representar movimentos inconscientes da alma, ultrapassa o diálogo interpessoal.O diálogo se desautoriza, se desqualifica, por ser racional; é um tanto marginal para exprimir o inconsciente.Faço uma relação com a dança, porque vejo estas linguagens como manifestações simbióticasque se expressam numa única manifestação.Existe uma linguagem secreta transmitida, que vai além das palavras e dos rótulos, que não pertence a catálogos, impossível de caber na prateleira do supermercado, intraduzível, que pertence ao reino das pessoas que ainda não estão presas ao que é dito de "fora pra dentro". Gente que ainda investiga o mundo buscando suas próprias respostas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

A MANIFESTAÇÃO DO SAGRADO NO VÔO DOS PÁSSAROS

Esta semana ministrei uma oficina com o tema a manifestação do sagrado no voo dos pássaros. Era um grupo composto por um grupo de te...