quarta-feira, 31 de maio de 2017

CORPO ORGÂNICO E A PROPORÇÃO ÁUREA

A natureza segue um fluxo, uma árvore por exemplo quando está em crescimento tem uma sabedoria secreta que consiste em encontrar padrões que através das bifurcações,e distorções dos galhos, localização no espaço, o crescimento das folhas ,com formas tridimensionais encontra assim a forma perfeita e as condições necessárias para ser nutrida com a luz do sol,água para garantir a vida contida naquela planta. Na antiguidade e principalmente no Renascimento a Proporção áurea é usada na arte, existe uma frequência , um padrão. O número de ouro pode ser encontrado na natureza, no corpo humano e no universo. Um planta sempre busca as condições apropriadas para crescer. O ser humano para crescer necessita também de encontrar a plena conexão com a vida que se manifesta no ambiente, que precisa estar em plena harmonia com os recursos oferecidos como nutrição,acolhimento, luz,afeto.O movimento orgânico que leva ao crescimento de um ser levando em conta que o corpo já vem programado para crescer e é fruto de condições apropriadas Não existe um caminho de crescimento, muita vezes é preciso olhar uma situação e perceber se é o momento de mudar a direção, o espaço ou esperar o momento de encontrar o melhor ângulo para voltar a crescer, quando algo não flui na vida. que cada um precisa desenvolver. Só há fluidez na vida quando se encontra a plena sintonia com ambiente para se tornar sagrado.

DANÇAR A JORNADA DA ALMA

Devemos ao sábio Barata o Natya Shastra, o tratado das artes do teatro-dança clássico Indiano incluindo a dança e de onde me inspiro através da dança clássica Indiana, para criar meu estilo e estética para criar minha dança .Esta dança é uma arte completa. Poesia corpórea nos movimentos das mãos, do rosto, da percussão dos pés.Gestualidade simbólica que inclui o traje , os instrumentos, a escultura, a arquitetura templária, a música,a poesia e a metafísica, dança e teatro são linguagens simultâneas, em uma única manifestação. A dança corpórea oriental que proponho é uma maneira de relacionamento com o corpo, uma percepção ampliada da nossa corporiedade que se manifesta através da sabedoria do oriente, onde a dança é o pensamento em ação, onde criamos um espaço dentro de nós para valorizar o não dito.A linguagem separa o corpo une, porque quando sou tomada de perplexidade ganho pensamento interno e aprendo a demorar nas sensações sem palavras. A experiência do mundo é feita pelo corpo e a vivência do espaço interno amplia nossa experiência no mundo.A geometria sagrada da dança por exemplo,frente,costas,estar por cima,estar por baixo, as mãos e pés em direções opostas, a cabeça e os olhos em direções opostas, os braços, pernas, quadril em direções opostas em diferentes categorias de tempo, com o corpo em espiral, círculos, diagonais, revelando uma arquitetura simbólica do ser, muda totalmente a nossa percepção gerando novas sinapses no cérebro. Toda a atmosfera de uma aula com esse elementos têm como objetivo criar presença,mistério, ritos e o pensamento sobre si mesmo e a condição humana.Se os espaços se constroem com números e medidas, existe uma geometria subjetiva que a dança oriental revela através da vivência do complexo e do sutil que reside nos detalhes.Estes símbolos no corpo aliados a meditação criam a liberdade de integrar cada parte do corpo e vê-lo através do fragmento para depois sentir o "todo" e fazendo parte da totalidade e se transformando em unidade que determina a forma como percebemos os lugares e encontramos nosso espaço interno e externo. Qualquer gesto feito com consciência e desdobramentos abre novas perspectivas, abre espaço dentro de nós para tornar comovente o banal, despertamos para a nossa linguagem secreta, nossa dança pessoal sagrada porque desperta nossa relação com a nossa força oculta que reside na força e na delicadeza dentro de nós e o mundo passa a a ser todo sentido. Meu corpo pode ser um reservatório de prazer, delícias, dores, sombras e luz,nele é possível acessar memórias, sentimentos,sensações, o divino que reside em cada um de nós e nos ajuda a desenvolver piedade e gratidão por nós e pelo planeta. Um corpo vivo, orgânico,sensual e cósmico.Para dançar felicidade, inocência, tolice, energia. O jogo do mundo movendo no meu ser.

quarta-feira, 24 de maio de 2017

DANÇA IMPERFEITA

Recebi numa aula de Biodança um desafio de surpresa: dançar o meu caos.Eu vivo num constante movimento de equilíbrio entre a derrapagem e a ordem. Aceitei plenamente na hora.Já visitei meu caos inúmeras vezes nestas aulas, mas desta vez não fiquei com medo, eu tinha uma fantasia que ia gostar tanto da loucura que poderia acabar permanecendo por lá.Mas felizmente sempre voltava para me pensar no espaço e sentir o meu chão de volta. Naquele momento aceitei simplesmente e deixei o meu corpo seguir sua trajetória.Fiquei suavemente penetrando meus espaços vazios e silenciosos, era uma dança sinuosa sem gritos, gestos de socar bruscos sem agressividade, sim eu vivi a delícia de ser louca sem julgamento e sem medo de me perder. Vivi aquela frase ou ditado não sei bem "Se você está no inferno abrace o diabo", foi assim que me senti, abraçando meus caos e fazendo as pazes com ele. No final do exercício acabei deitada no chão me pertencendo,sentido minha presença, com os vazios preenchidos e o corpo preenchido de mim mesma.Levantei refeita daquela viajem dentro de mim. Eu que nasci do caos, que sempre tive a derrapagem como caminho pude abraçar o vazio. Isso me explica. Até explica o porquê de ter escolhido uma arte complexa como matéria-prima de trabalho. Uma dança que desconhece a linha reta e linear, que se cria através do fragmento, do torto, da curva do corpo, onde todas as ações são belas e ao mesmo tempo exige presença sempre,movimentos tridimensionais que desafiam nossa necessidade de entender e apreender conhecimento rápido, uma dança que não te promete bem estar rapidamente, é necessário se dar para ela, se lançar no escuro, não entender nada por um bom tempo, ser criança de novo vendo algo pela primeira vez num mundo tão igual e uniformizado.É buscar no desafio e na indecisão a força, é encontrar no desequilíbrio o equilíbrio, é sair do estado de certeza para se fazer sentido. Não existe a fuga da realidade e sim o mergulho no desconhecido, para se chegar no maravilhamento de ver o próprio corpo fazendo novos gestos, as mãos sendo encontradas no olhar e o toque suave ou forte dos pés no chão convidando o corpo a ser ao mesmo tempo forte e suave.Feminino e masculino sendo presentes numa dança de guerreiros e guerreiras do coração. Para se dançar é necessário ser um " atleta afetivo". Não consegui me acostumar ao correto e linear. Preciso dançar com os meus medos, dores e loucuras para ser quem eu sou, integrando cada parte minha que desconheço e que me fazem no fragmento a morada do sentir, do pensar e do agir. E muito devagar e delicadamente viro força na delicadeza de estar cruzando um espaço sonoro em direções opostas e tridimensionais para encontrar equilíbrio no desequilíbrio. Mas é assim que encontro comigo.

domingo, 21 de maio de 2017

DANÇAR O EFÊMERO

A dança que transmite a intensificação da vida, e a presença das sensações. A dança orgânica necessita da escrita do corpo, de ouvir o corpo, como se todos os poros fossem ouvidos, trazendo intensidade e vivência. A pausa no repouso. A energia não corresponde necessariamente a movimentos no espaço. Quanto mais a dançarina busca intensidade e consciência, maior é a sua capacidade de ser a mensagem. Seus movimentos atingem diretamente o coração do público sem hermetismos. A linguagem da dança é universal quando a técnica é um veículo e não um fim. A dança quer existir no presente. A poética do efêmero, o que importa é a experiência coletiva de sonhar publicamente. Bertolt Brecht ( 1898-1956) um dos maiores homens de teatro do século XX, dramaturgo, encenador e teórico, afirmou que o teatro que quer representar movimentos inconscientes da alma, ultrapassa o diálogo interpessoal.O diálogo se desautoriza, se desqualifica, por ser racional; é um tanto marginal para exprimir o inconsciente.Faço uma relação com a dança, porque vejo estas linguagens como manifestações simbióticasque se expressam numa única manifestação.Existe uma linguagem secreta transmitida, que vai além das palavras e dos rótulos, que não pertence a catálogos, impossível de caber na prateleira do supermercado, intraduzível, que pertence ao reino das pessoas que ainda não estão presas ao que é dito de "fora pra dentro". Gente que ainda investiga o mundo buscando suas próprias respostas.

domingo, 7 de maio de 2017

SUTILEZA ESCULPIDA NO CORPO

Estou promovendo aqui em Brasília um curso sobre gestualidade, mito, arquétipos tendo como matéria-prima os princípios contidos na dança clássica Indiana. O que quero enfatizar aqui é que durante esse processo de desconstrução de um corpo linear estou fazendo novas descobertas.Nas aulas o meu foco é retomar o equilíbrio no desequilíbrio, e abrir os portais que acessam espaços no corpo que permitem deixar todos estes símbolos e imagens nos visitar. Dançar deixando o corpo fluir através das ações. Se a contemporaneidade nos apavora porque estamos sempre nesta eterna dissociação entre o pensar, agir e sentir, sigamos na plenitude do movimento convidando nosso corpo a integrar estes três centros, se nossas raízes não estão firmes, batemos nossos pés no chão, e nosso gesto está contido, vamos liberar novas conexões no cérebro usando cada parte que não usamos no nosso cotidiano impedidos pela nossa cultura que anulou o corpo em detrimento do pensamento e dos bons costumes.O contato com diferentes técnicas corporais na minha opinião tem esta função ampliar o gesto, deixá-lo mais orgânico. A imaginação é um músculo e precisamos nos aprofundar nas diferentes nuances escondidas no nosso corpo. Prestar atenção nos nossos olhos, nossas mãos, pés e este diálogo nos transforma trazendo nossa presença.
Me sinto privilegiada por sentir. Sentir e perceber as mensagens do meu corpo. Ouvir quando é possível o incessante diálogo do corpo com a alma. Não importa quando não compreendo a linguagem subterrânea das diferentes camadas e nuances que formam a síntese de mim mesma. Gostaria de ter olhos no meu interior, para dançar partes de mim que ainda não visitei. Quando escrevo sobre dançar a minha alma, criar um vocabulário próprio em cena, escrevo sobre esta necessidade de estar com a minha lanterna acesa, para quando entrar na caverna dos meus labirintos secretos, encontrar a luz e entendimento. " A dança afasta a prisão do Eu" Dançar é necessidade da alma, para revelar a experiência do prazer de perceber coisas sobre o meu mundo, olhar o olhar de mim mesma e me permitir olhar outras coisas. " A maior alegria é nos perdermos de nós mesmos por alguns instantes.O si mesmo não pode ser dito , porque ele é tão singular para cada si mesmo, que deveria existir uma palavra.Se você quer falar do si mesmo, você tem que inventar uma palavra e é incomunicável. Dançar é um exercício de superação. "

sexta-feira, 5 de maio de 2017

ESTUDO SOBRE UMA ÁRVORE

Eu morava num apartamento que da minha janela dava para ver uma única árvore majestosa com um caule gigantesco. Ela reinava soberana e sozinha. Um dia caiu um raio e ela amanheceu cortada ao meio. Quando acordei e fui para a janela vê-la me deparei com aquela imagem dantesca: Ela estava partida ao meio, metade no chão e metade altiva em pé.Cortaram a metade que estava no chão.E no dia seguinte quando vi o resultado me surpreendi com a força daquela árvore que resistiu a tudo e permaneceu linda e de pé. Nesta fase estava atravessando uma crise aguda de depressão e permaneci ao lado dela com uma pergunta que permaneceu comigo durante muito tempo. Como seguir em frente quando algo nos atinge no meio do peito? Como caminhar partido? Esta resposta só chegou agora. Estava dando uma aula de dança e ao colocar para as alunas as minhas dificuldades para entender certos movimentos na dança, quando estava no início do aprendizado e me questionava como um corpo pode levar os braços para frente, quando o quadril vai para trás, e como meu corpo pode responder a tantos deslocamentos, sendo usado separadamente cada parte do corpo em direções opostas e seguidas posições esculpidas para gerar desequilíbrio no equilíbrio e seguir inteira comigo me fazendo sentido. E eu percebi assim do nada que já me quebrei muito desde que entrei em contato com aquela árvore partida e que estou me especializando em caminhar apesar de todos os golpes da vida, porque eu sei que posso encontrar o caminho de volta para casa, meu ser. Eu aprendi a caminhar partida, fragmentada e desequilibrada e ao mesmo tempo me pertencendo. Me sinto inteira para entender porque o dramaturgo Willliam Shakeaspere (1564-1616)já dizia no século XVI que o mundo não pára para que a gente se consertar. Mas é possível sim permanecer inteiro apesar de tudo.

BLADE RUNNER

Ontem vi uma senhora grávida no último lugar num caixa de auto-atendimento, eu estava numa posição privilegiada na fila e estava lend...