Translate

terça-feira, 27 de dezembro de 2016

DANÇAR A TERRA

Ontem dancei minha terra, foi uma descarga energética tão grande que passei mal depois do exercício e precisei parar para sentir o percurso da energia voltando dos pés para a cabeça e circulando dentro do meu corpo gerando pulsação e vida.Este aterramento é fundamental para entrar em contato com a alegria e a abundância. Se sentir abundante vai muito além de ter coisas. é um estado de espírito e presença e um dar e receber contínuo. O meu aprendizado é este:nunca me isolar, é importante manter sempre a sintonia. Pisar os pés no chão, liberar a energia acumulada que nos deixa com um peso que não é natural. Dança iniciática, cujo objetivo principal é sentir "verdadeiramente" o corpo vivo e o coração pulsar. Apenas o movimento natural da vida. Muitas pesquisas foram realizadas sobre os efeitos da dança e dos movimentos livres no corpo. O paradoxo é que sabemos que faz bem, no entanto, poucos querem sair da "zona de conforto". A Idade Média já passou e ainda precisamos comprovar a importância do profundo contato interior e que para isso é preciso ter experiência com o corpo, sentir prazer, dor, loucura, êxtase, felicidade. A todo instante, seja através de um gesto sincero, ouvindo uma música ou percebendo integralmente nossa própria presença. Dançar é para todos, não para uma minoria de privilegiados. Precisamos sentir nossos pés se deslocando para encontrar o nosso chão, nossa terra, o território do coração. Precisamos tocar outras mãos, perceber nosso corpo girando e cortando o espaço, girando sem parar até perdermos a noção do tempo. É muito simples, até necessário vez ou outra parar de racionalizar tudo. Sair do "controle" – do "comando" – para então ouvir o ritmo da vida nos levando para espaços desconhecidos e novos. É urgente sentir emoção, chorar, sorrir, rir e gargalhar quando o prazer nos deixar extasiados de amor e vontade de gritar. É fácil: é Sentir a própria energia. Conectar com o mais íntimo da alma. simplesmente "Ser" abundante consigo mesmo. Olhar nosso próprio labirinto para iluminar nossa caminhada. Quando danço me sinto assim, integrada ao "todo". Percebo que sou um "Ser" simples, integral, que faz parte da "multidão". Minha impressão é que, atualmente, esse culto exagerado à "celebridade" e a necessidade exagerada de tornar pública a intimidade para o mundo através de redes sociais, é o vazio provocado pela ausência de si mesmo. O indivíduo que está integrado "aparece" naturalmente, porque age no mundo e é protagonista de sua própria vida. Escrevo no meu blog sobre minha relação com a dança e como ela pode melhorar a vida de qualquer pessoa, inclusive daqueles (daquelas) que também são dançarinos/dançarinas profissionais. Fazemos parte de uma teia – e assim vamos tecendo nossas vidas e sonhos. Poesia deveria compor o cardápio da mesa ao amanhecer. Todos os dias. Portanto saia de casa, caminhe descalço, abrace árvores, medite sendo árvore, montanha, dance ao som do ritmo do tambor, ou alguma música que te faça gingar a pélvis,o quadril para ativar o chacra raiz ou chacra sacral, principalmente agradeça, honre e faça reverência à mãe terra e só assim o céu vem nos abraçar também, quando estamos em paz com nossas raízes e com nossas asas temos a oportunidade de gerar vida dentro de nós e tudo passa a fazer sentido e nos tornamos criadores junto com a criação.

Nenhum comentário:

Postar um comentário