sexta-feira, 22 de abril de 2016

" A LUCIDEZ PERIGOSA"

"Estou sentindo uma clareza tão grande que me anula como pessoa atual e comum: é uma lucidez vazia, como explicar? Assim como um cálculo matemático perfeito do qual, no entanto, não se precise. Estou por assim dizer vendo claramente o vazio. E nem entendo aquilo que entendo: pois estou infinitamente maior que eu mesma, e não me alcanço. Além do que: que faço dessa lucidez? Sei também que esta minha lucidez pode-se tornar o inferno humano - já me aconteceu antes. Pois sei que - em termos de nossa diária e permanente acomodação resignada à irrealidade - essa clareza de realidade é um risco. Apagai, pois, minha flama, Deus, porque ela não me serve para viver os dias. Ajudai-me a de novo consistir dos modos possíveis. Eu consisto, eu consisto, amém." Clarice Lispector LISPECTOR, C. A Descoberta do Mundo . 2. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1984 Tantas coisas sendo costuradas dentro de mim. A minha velha colcha de retalhos que não se emenda nunca.Sou um tecido raro que sempre está faltando fragmentos de mim para compor o todo. Minha unidade é feita de pequenos detalhes, nuances, alimentadas pelo tempo. Não o tempo histórico linear, falo do tempo de Cronos, que é cíclico e volta repetido, disfarçado de mudanças, pela minha percepção. Só me resta cultivar o infinito em mim, mesmo sabendo que "o homem é um poema inacabado", quando me sinto nada e vazia.Esse eu ávido e carente por se fazer sentido insiste em ser costurado. Eu sou minha agulha, minha linha, minha cola,meu curativo,minha bússola, meu espelho,meu mapa, meu relógio, meu GPS e minha esquina onde estarei esperando por mim, com minha chave pronta para abrir todas as portas e janelas. Posso sentir o vento e sentir alívio por reencontrar minha colcha de retalhos que pode até estar sem unidade, ou inacabada, mas percebo estrutura e cores, para eu me deitar de vez em quando e repousar em mim. E nesse encontro comigo, faço parte de mim,sou inteira, mesmo sem proporção ou forma, mas sou como uma linha fluida, sem ponto de interrogação. Sou infinita.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

DANÇA DA CHUVA

Estou pesquisando sempre o eixo que emana na transição do efeito da dança na dançarina e o trabalho da dançarina sobre si mesma. Um c...