segunda-feira, 4 de janeiro de 2016

O CORPO ESTÁ PRESENTE

Primeiro respirar, sentir a própria respiração e sentir-se de volta para o presente. Depois prestar atenção nas nossas raízes, nossos pés, nossas pernas. O importante é ficar consciente ao primeiro sinal de ausência de si mesmo. Num mundo conectado onde bloquear um aplicativo, ou ficar sem Internet é motivo de pânico, não entendo porque a alienação de si mesmo não nos causa desespero. Busco sempre notícias de mim, através do outro, isso quem me ensinou foi o meu mestre Rolando Toro, criador da Biodança,"a poética do encontro". Estar de corpo e alma na vida. Existem muitos caminhos para encontrar esta conexão com a vida, ser orgânico. Encontrei sentido na vida através do meu corpo, principalmente quando danço. Quando sinto meu corpo, esse espaço misterioso que me conduz aos meus mistérios. Senti meus passos hoje, passeando no parque com o meu cachorro e observei o diálogo comigo mesma e a dança do vento balançando as folhas das árvores. Senti desejo, senti beleza. Senti vontade de entrar na mata e dançar também. A cada dia me encontro com o meu lado selvagem e começo a acordar do sono da realidade. A realidade pode ser construída por nós, agora eu sei que é possível construir novos olhares, novos mistérios acerca do mundo, Essa é a grande epifania da arte. Hoje usando o método peripatético do Filósofo Grego Aristóteles, literalmente andar pensando, me permito pausar o mundo, para entrar no meu espaço de tempo, ser eu mesma.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

DANÇA DA CHUVA

Estou pesquisando sempre o eixo que emana na transição do efeito da dança na dançarina e o trabalho da dançarina sobre si mesma. Um c...