quarta-feira, 8 de abril de 2015

ZEITGEIST

Dedico esse projeto a todas as mulheres que morreram nas fábricas para que pudessemos ter direitos, mulheres que vegetaram nos hospícios, nos conventos, numa época em que pensar sendo mulher era anomalia. Sim, teve uma época onde os homens selavam o destino das mulheres, nos tribunais de inquisição eram queimadas como bruxas, ou enclausuradas em casamentos, que eram verdadeiros tratados, para acabar guerras, aumentar reinos e expandir territórios. Ai de mim, que isso não é passado, a história ainda está nos desvelando, tirando os véus da covardia. Mulheres que queimaram sutiãs, que mostram o peito desafiando o preconceito. Revolução do corpo, do pensamento.   Proponho a revolução da alma.   Revelar o que nos define como essência, não falo de gênero. conheço homens que têm a alma feminina e vice-versa. Expressar o que sou com inteireza e verdade.    Gostaria de pedir por todas as meninas que nascem com a infância roubada, a escola e a inocência negadas, a descoberta do desabrochar do feminino negado.   Em todas as partes do mundo o coração das mulheres ecoa pelo poder do amor e o direto à vida.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

DANÇA DA CHUVA

Estou pesquisando sempre o eixo que emana na transição do efeito da dança na dançarina e o trabalho da dançarina sobre si mesma. Um c...