Postagens

Mostrando postagens de Outubro, 2014

" O CORPO COMO VEÍCULO DE LINGUAGEM"

Imagem
A pesquisa realizada por mim para o *Espetáculo de Dança Baraka* é a desmonstração de uma técnica baseada em elementos da dança clássica indiana e continua causando forte impacto no público que tem me prestigiado desde a estréia, em setembro/2011. A força das imagens reveladas pelo meu corpo em cena e a plasticidade dos movimentos promovem diálogo profundo com os expectadores, derrubando as fronteiras entre palco e platéia, relações de consumo e entretenimento. É arte que resgata a força do ser humano. Não há em cena nenhum artefato ou elemento da linguagem visual – como cenografia, iluminação ou efeitos especiais, no caso, desnecessários. Há apenas a dançarina e a dança. Na minha opinião, uma apresentação perfeita acontece quando a dança se sobrepõe à dançarina. Gostaria de revelar um aspecto da minha pesquisa muito comentada por mim e pouco compreendida. Durante algum tempo escrevi textos sobre meus estudos sobre dança clássica indiana. Mas, quantas pessoas conhecem a dança clássi…

Dançar

Imagem
Estudo atualmente as possibilidades do corpo para criar uma dança sutil para todos, independente da idade, classe social e nível de escolaridade. Dança iniciática, cujo objetivo principal é sentir "verdadeiramente" o corpo vivo e o coração pulsar. Apenas o movimento natural da vida. Muitas pesquisas foram realizadas sobre os efeitos da dança e dos movimentos livres. O paradoxo é que sabemos que faz bem, no entanto, poucos querem sair da "zona de conforto". A Idade Média já passou e ainda precisamos comprovar a importância do profundo contato interior. A todo instante, seja através de um gesto sincero, ouvindo uma música ou percebendo integralmente nossa própria presença. Dançar é para todos, não para uma minoria de privilegiados. Precisamos sentir nossos pés se deslocando para encontrar o nosso chão, nossa terra, o território do coração. Precisamos tocar outras mãos, perceber nosso corpo girando e cortando o espaço, girando sem parar até perdermos a noçã…

MARIA

Imagem
pesquisa de linguagem corporal e técnica para a criação de uma metodologia de trabalho ; visa a simbiose entre história , dança e arquitetura. A história como elemento narrativo da dança. O corpo é um texto e tem memória. Para criar possibilidades, matrizes para a realização de montagem de espetáculo ou performance. Eu acredito que vou ter que interromper minha prática e pesquisa pessoal e agregá-la a um mestrado. Só assim, vou ter condições "dignas" para pesquisar, para cuidar do meu processo de criação. Patrocínio é muito complicado e exige resultados rápidos., apesar de não desistir nunca de tentar.Aqui em Brasília o principal órgão que patrocina os artistas, geralmente no edital dá o prazo de um ano para a execução de um projeto. precisamos de um edital que contemple a pesquisa, demonstração de trabalho, publicações e multiplicação dos métodos reelaborados. O Fomento à intercâmbios de técnicas, ampliar as fronteiras. . Em meu processo pessoa…

DANÇA & NATUREZA - O EQUILÍBRIO INTERIOR DE CADA UM

Imagem
Mesmo que você não perceba, sua mente e seu corpo percebem e reagem a qualquer manifestação exterior. Até aí, nada de novo. Mas, na corrida tresloucada que rege nossas vidas, a percepção do espaço que nos rodeia quase sempre nos passa despercebida. Se o óbvio não é percebido, como poderemos notar verdadeiramente as sutilezas? Como viver a plenitude dos momentos, a beleza da natureza e das pessoas? A nossa própria beleza? Como ser mais natural e equilibrado? Nada místico nem compreensível só para alguns “iluminados” ou “iniciados”. Não, nada disso. Me refiro aos detalhes do nosso cotidiano, que “olhamos” mas não “vemos” nem “vivemos”. O foco de nossa atenção está direcionado quase sempre para o trabalho, as tarefas diárias, a “obrigação”. Implacável, a mídia nos apresenta os fatos ao vivo. A qualquer hora, dia e noite, vemos e sabemos sobre tudo. O bem e o mal. A “roda da vida” gira sem parar. O homem do século XXI, isolado, mas globalizado em frente ao computador, sufocado p…

"ARTE COMO VEÍCULO"

Imagem
(...)Meu último espetáculo, como diretor de teatro, é intitulado ‘Apocalypsis cum figuris’. Foi criado em 1969 e suas representações terminaram em 1980. Desde então eu não fiz nenhum espetáculo. ‘Ação’ não é um espetáculo. Não pertence ao domínio de arte como apresentação. É uma obra criada no campo de arte como veículo. É concebida para estruturar, em um material ligado às artes cênicas, o trabalho em si dos fazedores (doers). Testemunhas, observadores de fora, podem estar presentes ou não. Depende de várias condições que, sob circunstâncias diferentes, esta abordagem exige. Quando eu falo de arte como veículo, eu me refiro à verticalidade. Verticalidade- nós podemos ver este fenômeno em categorias de energia: energias pesadas mas orgânicas (ligadas a forças vitais, a instintos, a sensualidade) e outras energias, mais sutis. A questão da verticalidade quer dizer passar de um nível, por assim dizer, grosseiro, em um certo senso, poderíamos dizer um “nível cotidiano”, para um nível …

DANÇAR A EXPERIÊNCIA DE SER

Imagem
Escutar a vida. O percurso para encontrar a integração do agir, sentir e pensar que está relacionado ao processo de descoberta dos próprios potenciais. A dança é o meu canal de integração, quando estou dançando sinto que faço parte de tudo,vibração, percepção e presença. tenho a oportunidade de encontrar o processo para desenvolver no meu corpo as minhas possibilidades. " Penso logo existo"? Nem sempre. Prefiro sentir, pensar e agir, não necessariamente nesta ordem. Os três centros dificilmente funcionam simultaneamente. Uma pessoa pode ter a ação e não ter a capacidade de sentir e vivenciar as suas emoções, pensar e não agir. " A arte pode ser um veículo". Interessa buscar o caminho do sublime. Não estou escrevendo sobre a política do "pão e circo" ou de qualquer arte produzida pela humanidade de todos os tempos…