sábado, 6 de julho de 2013

A DANÇA - MAGIA E TÉCNICA

"A linguagem do poeta, a linguagem da arte, é , talvez uma das linguagens que poderia ser utilizada para ousarmos falar a respeito de Deus porque trata-se de uma linguagem que não nos confina, não conceitualiza,, não distribui rótulos, mas nos deixa livres e nos convida a fazer uma experiência, a empreender uma transformação."
Jean Ives Leloup



  A consciência do processo de criação pela experiência, ao penetrar no movimento interno, envolvendo-se total e organicamente com o corpo em todos os níveis – intelectual, físico ou intuitivo – promove a construção de uma arte que se comunica com seu tempo.
    A intuição é vital para a situação de aprendizagem e, infelizmente, é muito negligenciada.
    Não quero afirmar que o mágico e o onírico formam um artista. Na verdade, técnica e imaginação precisam caminhar juntas, como afirmamos em dança: “não baixa o espírito santo”.
    Antoine Artaud (1896/1948) – poeta, ator, escritor, dramaturgo, roteirista e diretor de teatro francês – uma das minhas principais fontes de pesquisa sobre a metafísica, para meu desespero, não nos explicitou o processo para se chegar a uma arte que nos convide a aguçar os sentidos e a experiência coletiva, onde não há separação entre público e platéia.
    A propósito: minha intenção é fazer o público sonhar. Que a relação espaço/tempo seja elevada a um patamar diferenciado. Prefiro a idéia de colocar a platéia para flutuar, dançar comigo, participar da experiência da dança, do movimento profundamente conectado, sem a dimensão da análise literal ou apelo da razão cartesiana.
    Não estou falando de uma dança burra, mas de uma dança que seja tão impregnada de verdade e beleza que “ultrapasse o entendimento”. O processo para se chegar a esse estado de presença em cena necessita de total disciplina e contato consigo mesmo. Na minha opinião, um trabalho que pretenda a espiritualidade exige renúncia e princípios éticos e disciplina..
    Temos muita arrogância na arte. Não quero somar nesse sentido: meu principal elemento motivador é criar uma dança sublime e onírica. Uma dança que exija disciplina, treinamento corporal e espiritual para, em cena, provocar reflexão e encantamento. E porque não  dúvida e questionamentos sobre a condição humana?
     A dança que questiona o próprio ato de dançar. Que questione a própria dança.
    Ninguém, eu inclusive detém o monopólio do belo. Um dos meus compromissos de pesquisa, é descobrir meus próprios símbolos, minha própria assinatura e devolver para a sociedade.
    Reverencio cada detalhe que aprendo com o estudo universal da dança. Reverencio todos os profissionais que me ensinaram um pouco deste conhecimento. O que busco tem essa marca de iniciação.
    Para mim, o palco é sagrado e a minha platéia primeira são os deuses da arte.
    Tenho essa questão tão clara dentro de mim, porque faço da dança a minha prece e a minha expressão de alma, meu Dharma ( missão). Me reinvento, me redescubro. Também retorno ao ponto zero.
    Novo Ciclo. Nova busca. Outra estética. Sem abrir mão do passado, da semente plantada.
    Pesquiso o simbolismo do corpo,olhar o corpo em vários planos, proporção áurea, treinamento em várias partes do corpo (olhos, mãos,pés,cabeça,) que compõem  infinitas possibilidades e posições que buscam o equilíbrio da mente  e a expressividade , organicidade,, precisão nos movimentos,graça, leveza,harmonia entre os contrários, tridimensionalidade,, equilíbrio,energização, mitologia,simbolismo do corpo,pensamento mágico,meditação e poesia corpórea.
 
  
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

DANÇA DA CHUVA

Estou pesquisando sempre o eixo que emana na transição do efeito da dança na dançarina e o trabalho da dançarina sobre si mesma. Um c...