domingo, 5 de maio de 2013

CORPO - IMAGEM-MEMÓRIA

 A descrição do movimento na dança  deve ser colocada num contexto de multiciplidade que questione as dicotomias corpo e mente,movimento e sentimento, desafiando  relações de poder  e buscando uma relação dinâmica além da unidade  ou correspondência significativa. Dessa forma a descrição de movimentos não forma uma unidade  com o seu movimento original há necessariamente uma diferença entre  descrição e a dança. Pesquisadores não pretendem descrever com absoluta precisão , sem preservar a dança ,mas abrir novas possibilidades de entendimento. Ao invés de estabelecer  correspondentes símbolos e significados , a descrição  multiplica as possibilidades de interpretação, de associações teóricas , e a criação de mais material escrito e coreográfico.A descrição torna-se  " fôrça semântica pluralizadora":um instrumento lingístico, artístico e filosófico"
       Para  descrever e discutir o corpo é necessária uma linguagem dinâmica de natureza constantemente transformadora,onde binárias oposições  não reflitam de volta uma na outra,trazendo repouso,numa completude imaginária.Dentro do Símbolo  imaginário ao contrário , elas se desencontram mas ainda  tentando refletir-se .


Nenhum comentário:

Postar um comentário

DANÇA DA CHUVA

Estou pesquisando sempre o eixo que emana na transição do efeito da dança na dançarina e o trabalho da dançarina sobre si mesma. Um c...