terça-feira, 12 de fevereiro de 2013

Marina Abramovic

Arte e dor: Marina Abramović faz palestra em Londres só para mulheres
Performática mais prestigiada do mundo testa os limites do corpo, cruza olhares e diz que usa a dor para melhor entendê-la





São cinco da tarde, domingo de sol e 900 mulheres de todos os sotaques do mundo ocupam o auditório do Southbank Centre, em Londres, à espera da artista sérvia Marina Abramović, a avó da performance. Aos 65 anos, é a primeira vez que ela se expõe com exclusividade para o público feminino, apesar de acreditar que a arte não tem gênero. Na mesma sala, diferentes nacionalidades, olhares, estilos e desejos se concentram para o telão que antecede sua chegada. Nele, todas as dores - ou obras - de Marina fisgam a plateia ansiosa que ovaciona ao ouvir a frase: "Bem-vindas à revolução."

Thais Caramico/Opera Mundi

Marina Abramović em ação: a sérvia, nascida em Belgrado, é uma das artistas mais celebradas do mundo

Marina é daquelas mulheres fortes, cuja arte dialoga com a dor o tempo todo e por isso o tema da palestra: "O espírito não queima, seja qual for a condição". Sangue, cortes e olhar profundo de quem se doa ao tempo, esses são seus elementos usados no próprio corpo desde 1971, quando começou sua carreira. A resistência e o aumento da consciência são partes do processo, como quem sofre num segundo, com a certeza de que o sentimento é efêmero. "Sinto dor, mas passa. Na vida das pessoas é assim também", diz.

Entre suas performances, já questionou a beleza escovando o cabelo até o couro sangrar, desmaiou dentro de um pentagrama em chamas e cortou em volta do umbigo a estrela do comunismo. Também deitou nua com uma caveira e caminhou 2.500 quilômetros na Muralha da China para conseguir terminar um relacionamento. Em 1974, deitou numa mesa por seis horas e ofereceu o corpo à plateia, que podia usar qualquer um dos 72 objetos que a rodeavam. Havia faca e revólver, mas terminou sem blusa, chorando e com pétalas de rosa nos mamilos, carregada feito santa.

Leia mais
Mostra traz 50 filmes e documentário sobre bastidores de filmagens de Ingmar Bergman
Exposição inédita sobre Fellini chega a São Paulo
Encontro internacional de especialistas pede que países aumentem investimentos em museus
Mostra de curtas de São Paulo oferece panorama do cinema jovem da América Latina


Marina artista, nascida em Belgrado, é uma mulher natural que revela investigar a dor porque precisa conviver melhor com ela. "Faço performances com dor porque preciso controlá-la. Quando você aprende a controlar sua alma da dor, você passa a confiar no espírito e entender que você é algo temporário, que não tem de ter medo da morte", explica. Questiona-se o tempo todo, desde criança, sobre seu papel no mundo e o que faz aqui. E sorri ao lembrar que a melhor explicação não veio dos livros ou da psicanálise, mas de um xamã que, sem saber qualquer coisa sobre ela, lhe disse durante um ritual: "Não sei quem você é, de onde é e o que faz. Mas sua missão aqui é entender a dor e conviver com ela." Isso foi no Brasil, um dos refúgios de Marina.

No palco londrino, ela entra vestida de preto, cabelos repartidos ao meio e trança baixa, como sempre. Está nervosa, mas se mantém em fala plácida avisando que não está ali para discutir políticas feministas, mas para mostrar um pouco do que faz a um público especial. "A arte não tem gênero. Pode ser boa, ruim ou até mais ou menos. Mas nunca feminina ou masculina. Acontece que ser artista mulher é difícil, porque nossa dedicação ao mundo, como mãe, esposa e dona de casa exigem muito, e arte é uma coisa em que é preciso estar presente o tempo todo."

Tempo, ela alerta, só existe porque estamos sempre preocupados com o passado e o futuro e nos esquecemos do mais importante, que é viver o presente. Diz então que não há performance boa sem tempo, pois a matéria não preenche a arte, afinal, não é um produto. "A performance está ligada ao estado da mente e só é capaz de fazer isso, desde muitos anos atrás, quem vive o momento. Maria Callas quando canta, Pina Bausch quando dança, isso é performance", dá exemplos enquanto mostra trechos de apresentações que ama por simplesmente estarem focadas no momento.

MoMa/Divulgação
Nesse conceito de duração é que Marina trabalha boa parte de suas obras. Em "Relação com o Tempo", de 1977, ela sentou-se de costas para o ex-marido, o artista alemão Ulay. Eles prenderam os cabelos com um laço e ficaram 16 horas imóveis.

Em 2010, o MoMA de Nova York recebeu em sua retrospectiva 850 mil visitantes. Na obra principal estava Marina de carne e osso. Por 77 dias, sete horas diárias, a artista permaneceu sentada numa mesa em que o espectador chegava e trocava olhares por quanto tempo aguentasse. Muita gente chorou, o que deu origem a um site chamado "Marina Me Fez Chorar", e a um trecho do recém-lançado documentário A Artista Está Presente.

Minutos antes de encerrar a palestra, Marina sai do palco e retorna nua, com folhas de sulfite usadas para grifar seu "Manifesto Sobre a Vida do Artista", 18 trechos sobre o que considera ser a relação com a arte, pensamentos em defesa de que "o artista não pode se apaixonar por outro artista"; "o artista deve ter uma visão erótica do mundo"; "o sofrimento leva o artista a transcender seu espírito"; "a depressão não é produtiva para os artistas"; "o artista deve criar um espaço para que o silêncio adentre sua obra" e que termina com "o artista deve deixar instruções para seu próprio funeral, para que tudo seja feito segundo sua vontade".

A sérvia joga as folhas no chão, pede às 900 mulheres da plateia que levantem e permaneçam em silêncio por três minutos. Diz que é para pensar em nada além do que o momento presente dentro daquele lugar e reforça a ação lembrando que ela está ali, em corpo e espírito. Numa ausência completa de ruídos, ela mantém os olhos abertos e levanta os braços lentamente. Agradece por estar ali e, bastante emocionada com a troca de energias, coloca a mão no peito e depois na cabeça, enquanto recebe mais uma onda de fortes aplausos seguidos por adjetivos de uma só natureza, em todos os sotaques.

 Texto: ópera mundi

Nenhum comentário:

Postar um comentário

"TEMPOS MODERNOS"

Sou voluntária de uma ONG que tem como missão ajudar e promover conforto emocional e saúde mental a pacientes com depressão e pessoas...