sexta-feira, 14 de dezembro de 2012

EURÍPEDES - DRAMATURGO GREGO

Dramaturgo grego
Eurípides

480 a.C., Salamina (Grécia)
406 a.C., Pela (antiga Macedônia, Grécia)
Da Página 3 Pedagogia & Comunicação
A influência de Eurípides estende-se de Sêneca até Sartre, em pleno século 20


Eurípides viveu, aproximadamente, entre 480 e 406 a.C. Nasceu em Salamina e morreu em Pela, na Macedônia. Pouco se sabe a respeito de sua vida. Casado duas vezes, teria o costume de escrever e meditar em completo isolamento, numa gruta em frente ao mar. Venceu quatro vezes o festival de teatro ateniense.

Ao contrário de Sófocles, que foi o dramaturgo preferido por seus contemporâneos, Eurípides nunca desempenhou qualquer atividade política; contudo, em suas tragédias, a preocupação política é quase uma constante.

Eurípides passou os últimos anos de sua vida na Macedônia, na corte do rei Arquelau, onde foi recebido com honrarias. Segundo a tradição, teve uma morte trágica: teria sido despedaçado, acidentalmente, pelos cães de caça do rei.

Temas e personagens

As peças de Eurípides enfocam situações marcadas por tensões emocionais violentas, mostrando homens e mulheres dominados por paixões ou dilacerados por impulsos conflitantes. Para alguns estudiosos, esse dramaturgo chegou mais perto da vida cotidiana do que Ésquilo e Sófocles.

O teatro de Eurípides é marcado por questionamentos que enfrentam a religião e a moral tradicionais, demonstrando uma vigorosa independência intelectual e, quase sempre, escandalizando seus contemporâneos. Ele soube mesclar o amargor de suas reflexões sobre o destino dos seres humanos à admiração pelo heroísmo e pela natureza.

Em sua disposição para discutir todos os aspectos da vida humana, esse dramaturgo reflete a preocupação fundamental de todos os grandes escritores: o homem. Eurípides ataca a família não porque esta se oponha ao Estado, mas porque ela violenta a liberdade individual. Ele analisa, assim, o homem sozinho, com sua razão, seu sofrimento, seus pensamentos. O homem, desde que tenha liberdade para agir, não é mais um instrumento da vontade dos deuses, mas responsável por seus atos. Consciência e arrependimento surgem, dessa forma, como as conseqüências naturais da liberdade de agir.

Mas Eurípides também tratou do amor em suas diferentes formas: o amor conjugal, o amor materno, o amor arrebatado. E criou personagens femininas inesquecíveis. Ao contrário dos homens, em geral desagradáveis e de caráter fraco, as mulheres de Eurípides são nobres, ternas, piedosas - e freqüentemente sacrificam-se para salvar o marido, os filhos ou a pátria.

Dentre as 17 tragédias e o drama satírico que chegaram até nós, duas peças são as mais importantes: Ifigênia em Aulis, de forte lirismo, e As Bacantes, a tragédia na qual Eurípides estuda as limitações da razão humana, avessa aos mistérios que transcendem o mundo material, e condena os excessos da religião.

Sua peça mais popular, no entanto, talvez seja Medéia, a esposa traída que, para vingar-se do marido infiel, mata sua rival e os próprios filhos. Em Hipólito, uma de suas tragédias mais amargas, o protagonista, depois de salvar sua família, sofre um acesso de loucura e assassina o pai, a esposa e os filhos.

Eurípides influenciou uma série de escritores: Sêneca, Racine, D'Annunzio e Sartre. E, através de Sêneca, podemos encontrar traços de Eurípides em Calderón e Shakespeare

Enciclopédia Mirador Internacional e Dicionário Oxford de Literatura Clássica (Jorge Zahar Editor)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

DANÇA DA CHUVA

Estou pesquisando sempre o eixo que emana na transição do efeito da dança na dançarina e o trabalho da dançarina sobre si mesma. Um c...