DANÇARINO: ATOR ILUMINADO

    A consciência do processo de criação pela experiência, ao penetrar no movimento interno, envolvendo-se total e organicamente com o corpo em todos os níveis – intelectual, físico ou intuitivo – promove a construção de uma arte que se comunica com seu tempo.
    A intuição é vital para a situação de aprendizagem e, infelizmente, é muito negligenciada.
    Não quero afirmar que o mágico e o onírico formam um artista. Na verdade, técnica e imaginação precisam caminhar juntas, como afirmamos em dança: “não baixa o espírito santo”.
    Antoine Artaud (1896/1948) – poeta, ator, escritor, dramaturgo, roteirista e diretor de teatro francês – uma das minhas principais fontes de pesquisa sobre a metafísica, para meu desespero, não nos explicitou o processo para se chegar a uma arte que nos convide a aguçar os sentidos e a experiência coletiva, onde não há separação entre público e platéia.
    A propósito: minha intenção é fazer o público sonhar. Que a relação espaço/tempo seja elevada a um patamar diferenciado. Prefiro a idéia de colocar a platéia para flutuar, dançar comigo, participar da experiência da dança, do movimento profundamente conectado, sem a dimensão da análise literal ou apelo da razão cartesiana.
    Não estou falando de uma dança burra, mas de uma dança que seja tão impregnada de verdade e beleza que “ultrapasse o entendimento”. O processo para se chegar a esse estado de presença em cena necessita de total disciplina e contato consigo mesmo. Na minha opinião, um trabalho que pretenda a espiritualidade exi-ge renúncia e princípios éticos que, no meu caso, tem referenciais do oriente.
    Temos muita arrogância na arte. Não quero somar nesse sentido: meu principal elemento motivador é criar uma dança sublime e onírica. Uma dança que exija disciplina, treinamento corporal e espiritual para, em cena, provocar reflexão e encantamento. E porque não, dúvida e questionamentos sobre a condição humana?
    E mais: uma dança que questione o próprio ato de dançar. Que questione a própria dança.
    Ninguém – eu inclusive – detém o monopólio do belo. Um dos meus compromissos de pesquisa, é descobrir meus próprios símbolos, minha própria assinatura.
    Reverencio cada detalhe que aprendo com o estudo universal da dança. Reverencio todos os profissionais que me ensinaram um pouco deste conhecimento. O que busco tem essa marca e iniciação.
    Para mim, o palco é sagrado e a minha platéia primeira são os deuses da arte.
    Tenho essa questão tão clara dentro de mim, porque faço da dança a minha prece e a minha expressão de alma, meu Dharma. Me reinvento, me redescubro. Também retorno ao ponto zero.
    Novo Ciclo. Nova busca. Outra estética. Sem abrir mão do passado, da semente plantada.
    EVOÉ!!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

DANÇA SURREALISTA

DANÇAR EM TEMPOS DE INTOLERÂNCIA

" A FONTE ORIGINAL"