Pular para o conteúdo principal

“NAMASTÊ!”

Meus amigos, minhas amigas: eu vi. Melhor, tive o grande privilégio de assistir às 12 apresentações da professora, atriz e dançarina MIRABAI (Sala Alberto Nepomuceno/Teatro Nacional/Brasília/setembro/
2011). Sem falar na pré-estréia, no dia primeiro daquele mês.
Quando digo “grande privilégio”, não é exagero ou mera retórica.
Contratado inicialmente pela professora MIRABAI como diretor de arte e produção gráfica para desenvolver o material impresso de seu Espetáculo de Dança Baraka, fui conquistado e me envolvi integralmente pela arte, conteúdo e verdade da proposta dela.
E mais: percebi que ela, além de ser a artista que concebera – e dali há uns meses apresentaria o Espetáculo (começamos a trabalhar em fevereiro) – era dela também a enorme responsabilidade para tornar possível a realização do próprio Espetáculo.
Desde a captação dos recursos junto ao FAC (Fundo de Apoio à Cultura) até o cumprimento total de todas as reponsabilidades, tudo – absolutamente tudo – estava sob sua responsabilidade e decisão. E todos nós sabemos que, se para decidir é preciso discernimento e competência, muito mais discernimento e competência é preciso quando as decisões devem ser tomadas de forma individual, quase solitária.
Com o tempo cada vez mais curto e faltando dois meses para a estréia, a professora MIRABAI, teve de recomeçar praticamente do “zero”. Problemas inerentes à produção do Espetáculo a forçaram a rever orçamentos, contratação de pessoal e readequar-se à exígua disponibilidade financeira.
Não fosse o providencial apoio da Secretaria de Assuntos e Políticas para a Mulher Educadora, do SINPRO (Sindicato dos Professores do Distrito Federal), a divulgação do Espetáculo de Dança Baraka seria prejudicada.
Mas, como o tempo não pára, a artista se desdobrava como podia para atender todos os compromissos de sua vida particular, trabalho, ensaios, contatos e tudo o mais que – normalmente – ocuparia uma equipe de muitos profissionais.
Nunca a máxima “o espetáculo não pode parar” foi tão verdadeira e, é importante salientar, antes do espetáculo começar! E tão assustadora: havia o compromisso assumido de montar um espetáculo artístico com “Patrocínio Cultural” do FAC. Caso ele não acontecesse, teria a professora MIRABAI de devolver o recurso captado. Sei e tenho certeza que só a determinação, a competência e o talento da professora MIRABAI tornaram possível a realização do Espetáculo de Dança Baraka.
É verdade, ela não caminhou sozinha, principalmente, na reta final: a ela juntaram-se várias instituições e empresas que sabiam, confiavam na seriedade e na importância de seu trabalho. Incansável, a professora MIRABAI percorreu redações distribuindo “releases” e material digital para veiculação na mídia impressa e eletrônica. A ampla cobertura de toda imprensa (jornais, revistas, rádios e emissoras de TV) deu resultado e foi fundamental para a divulgação do Espetáculo de Dança Baraka. A professora MIRABAI ficou um mês em cartaz e em evidência na mídia. Uma façanha e tanto, temos de admitir.
A pré-estréia foi emocionante: muitos amigos, professores, alunos, colegas, artistas, admiradores e seus filhos compareceram para prestigiá-la e aplaudi-la. Saíram felizes, comprovei. Pela vitória e talento da amiga, da artista, da mãe. A temporada toda foi um sucesso.
Assisti a tudo e tive a honra de conviver com a professora MIRABAI todos os momentos do Espetáculo de Dança Baraka. Os bons, os melhores e os momentos difíceis. Não aconteceram momentos “ruins”, mas momentos “difíceis”, quando as “angústias”, incertezas momentâneas, foram superadas pela competência e verdade da proposta artística.
Em sua temporada, MIRABAI provou que arte de verdade não é feita com botox, silicone ou apelações. Sozinha no palco, sem cenografia supérflua ou iluminação feérica, MIRABAI apresentou sua arte e mostrou-se por inteira. Explicitou seu talento sem medo. Improvisou e fez de cada apresentação uma “JAM SESSION”.
O público, ah… o público reagiu espontaneamente agradecido à performance da artista. Do silêncio inicial, absoluto, admirado e respeitoso, à explosão de gritos de “Bravo!”, “Linda!”, “Muito Bom!”, assobios e palmas ao final do espetáculo, muitas vezes com a platéia de pé. Até a “galera” do “Uhúúúúúúú!” se fez ouvir.
Volto ao início deste depoimento: fui um espectador muito privilegiado porque – apesar de minha experiência profissional em lidar com imprevistos – me surpreendi, aprendi muito e vi de perto a determinação de uma artista de talento. E, como assisti a todas apresentações (refiro-me a pré-estréia e aos 12 espetáculos da temporada), sem nenhum favor, faço uma analogia entre o trabalho da professora MIRABAI e do grande músico, reconhecido internacionalmente, ERIC CLAPTON.
São “manifestações artísticas diferentes”, “etcétera e tal” – alegarão alguns – mas, é certo: não há qualquer impropriedade ou exagero em minha analogia.
Nem, repito, nenhum favor: quem conhece profundamente (como eu conheço) o trabalho e a vida de ERIC CLAPTON, sabe que desde o início de sua carreira ele nunca executa as músicas da mesma forma. Cada execução é única. Ele não se repete. A melodia e o tom são os mesmos – é evidente – mas os arranjos, o ritmo, o “andamento”, a harmonização e a “pegada” são sempre diferentes. Isso sem falar na beleza, competência do improviso e no brilhantismo da interpretação.
Pois tudo isso eu vi, meus amigos e minhas amigas, na postura, trabalho e atuação da professora MIRABAI. Ou melhor, tudo isso eu tive o – GRANDE – privilégio de ver, todos os dias e bem de perto, no Espetáculo de Dança Baraka.
“NAMASTÊ”, professora: foi uma honra trabalhar com a senhora!

Carlos Guilherme R. Batista
(Jornalista/Publicitário/Músico diletante)


Comentários

  1. Carlos conhecendo Mirabai mais de perto fica fácil devorar com emoção o seu texto aqui registrado... E vê-la com todo seu empenho.

    Sim, Mirabai é única. E único se faz cada movimento, cada momento da sua dança.

    Linda e presente. Nos cativa a todos...

    Tambem eu, pesar de ser uma simples expectadora, fui ao espetáculo e fiquei maravilhada com tudo que vi.
    Mais que isso, me sinto honrada por tê-la como amiga...

    Sucessos querida Mirabai.
    Ele é todo seu por mérito!

    Carmem Luisa Caixeta
    Facilitadora de Biodanza

    ResponderExcluir
  2. Obrigada Carmem!

    Eu sei que caminhamos juntas há muito tempo, fico feliz de saber que estamos construindo cada uma a sua maneira um mundo melhor.

    beijos

    Maria

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

DANÇA SURREALISTA

DANÇAR EM TEMPOS DE INTOLERÂNCIA

" A FONTE ORIGINAL"