quinta-feira, 13 de outubro de 2011

DANÇA!




Dançar é promover um diálogo entre o corpo e a alma. Uma matriz desenhada com arquivos secretos . Um espaço íntimo e particular. Promovo uma arte que possue um incrível diálogo com as artes visuais, minha dança e um poema visual, meus movimentos cortam o espaço desenhando cada gesto,uma geometria, danço em círculos, triângulos, espiraes , corto o espaço, como um arquiteto., danço poesias , meu corpo vira um texto, cheio de símbolos e significados, meu pensamento em ação. Sou atriz quando dou intencidade a cada interpretação e crio uma dramaturgia em cena. Sou percurssionista quando toco e sou um instrumento de percussão.marcando o rítmo. Não domino a técnica da arquitetura, música, artes visuais e literatura, mas integro essas linguagens a minha performance. Se antes isso soava pretencioso ou desqualificava minha proposta de linguagem, hoje acredito que posso sim, para me expressar reelaborar minha forma de atuar , até nem precisar me rotular de dançarina, posso estar no caminho de encontrar dançar o vazio, dançar a mais sutil sombra e luz da música, minha dança é muito pessoal, admito que a dança clássica Indiana será sempre a minha técnica preferida,mas seria reduzir minha proposta se fosse a minha única fonte de pesquisa de técnica corpórea. " Porque uma dançarina se é grande , pode dar às pessoas algo que elas vão levar consigo para sempre.Elas nunca esquecerão, e aquilo provocou nelas uma mudança , embora elas possam ignorar isso."

Um comentário:

  1. MIRABAI: te vi dançar no Teatro Nacional, em Brasília, agora em setembro. Fui cinco vezes. Não fui mais porque não pude. A cada apresentação, tu me surpreendeu e encantou mais e mais. Me apaixonei por tua dança, por tua verdade, por ti. És bela e, eu, perdidamente apaixonado por ti.

    ResponderExcluir

"TEMPOS MODERNOS"

Sou voluntária de uma ONG que tem como missão ajudar e promover conforto emocional e saúde mental a pacientes com depressão e pessoas...