quinta-feira, 27 de outubro de 2011

Navarasa – the nine moods, Nine Sentiments, Art Forms, India, Kerala Videos

Navarasa – the nine moods, Nine Sentiments, Art Forms, India, Kerala Videos

Navarasa-The Nine Moods

Navarasa-The Nine Moods

10 mar 2008 por Anjali

Aprendizagem Navarasa é uma sessão importante para um estudante de dança. Aqui, o professor explica sobre as diferentes expressões faciais, como e quando ele é usado. É a sessão mais excitante para os alunos a fazer caretas. Imagine uma mãe ocupada na cozinha e seu filho derrama uma garrafa de óleo no chão. Adivinhe qual será o sentindo como. No meu caso é sem dúvida vai ser Raudra. E depois seguido por um Tandava. :)

Voltando ao meu ponto, de modo que é Navarasa?

Rasa é sobre o estado de espírito humano. Sua sobre o que a mente se sente ea expressão do sentimento depois. Em Natyashastra a Bharata, a Rasa é uma emoção experimentada pelo público criado pela expressão facial ou o Bhava do ator. Na dança clássica indiana é referido como Rasa abhinaya.

Sr. VP Dhananjayan em seu livro chamado "A Dancer em Dança", diz Rasa significa aquilo que está sendo experimentado ou usufruído. Daí a Rasika palavra é empregada para designar os conhecedores. Agora, a pergunta poderia ser feita se Rasa vem de Bhava ou Bhava da Rasa. Bhava significa, o que torna (bh00, Bhav, ou seja, tornar-se), então torna-se Bhava Rasa. Mas não se torne Rasa Bhava. Há também o efeito complementar sobre o dançarino ou ator.

Cada Rasa corresponde a um Bhava particular. O Natyshastra cuidadosamente descreveu o Bhavas usado para criar Rasa. A tabela a seguir os nove estados humores (Navarasa) eo Bhava correspondente. Cada Rasa é identificado com uma cor específica para a utilização em artes cênicas.

<

RASA

Bhava

SIGNIFICADO

COR

Shringar (eróticos)

Rati

Prazer

Green Light pálida

Hasya (cómico)

Hasa

Risada

Branco

Karuna (Patético)

Shoka

Tristeza

Cinzento

Raudra (Terrível)

Krodh

Raiva

Vermelho

Veera (Heroic)

Utsaha

Heroísmo

Pálida Laranja

Bhayanaka (Temeroso)

Bhaya

Medo

Negro

Bibhatsa (odioso)

Jugupsa

Desgosto

Azul

Adbhuta (Wonderous)

Vismaya

Maravilha

Amarelo

Shanta (Peaceful)

Calma

Paz

Branco

sábado, 15 de outubro de 2011

LIVRO DE VISITAS


Maria querida!!!
Sabe de uma coisa? Tenho uma amiga que é uma grande artista!!!
Estou encantada com o seu trabalho, a sua sensibilidade musical traduzida na delicadeza e presença marcante do seu movimento. Até agora, dançam diante dos meus olhos suas ricas e vivas expressões faciais, da paz à alegria, da dor e tristeza avassaladoras à iluminação.
Amei assistir sua pré-estréia e depois vê-la novamente após um mês de apresentações. Ontem, demovida da natural curiosidade da primeira vez, pude me deliciar ao sorver da graça da sua arte, me permitir inspirar sua expressão sensível e me arrepiar pela emoção de perceber a revelação de sua alma em harmonia à melodias tão sabiamente escolhidas. Em muitos momentos me vi meditando em cada movimento sutil do seu ser dançante.
PARABÉNS QUERIDA!!! Quero poder ter muitas outras oportunidades para apreciar a bela, vibrante e SUA dança. Falamos em espectativas recentemente e você superou todas as minhas espectativas. Estou muito feliz por suas conquistas e principalmente por você ter acreditado em seu sonho. Desejo-lho muitas, muitas felicidades.
Com toda minha admiração beijo cada um dos seus expressivos dedos, das mãos e dos pés,
Ana Paula



Parabéns pela síntese! lembrei-me das congadas de Minas Gerais e São Paulo, além do final exuberante! Valeu!

Manoel


Encantador!

Chistian

quinta-feira, 13 de outubro de 2011

DANÇA!




Dançar é promover um diálogo entre o corpo e a alma. Uma matriz desenhada com arquivos secretos . Um espaço íntimo e particular. Promovo uma arte que possue um incrível diálogo com as artes visuais, minha dança e um poema visual, meus movimentos cortam o espaço desenhando cada gesto,uma geometria, danço em círculos, triângulos, espiraes , corto o espaço, como um arquiteto., danço poesias , meu corpo vira um texto, cheio de símbolos e significados, meu pensamento em ação. Sou atriz quando dou intencidade a cada interpretação e crio uma dramaturgia em cena. Sou percurssionista quando toco e sou um instrumento de percussão.marcando o rítmo. Não domino a técnica da arquitetura, música, artes visuais e literatura, mas integro essas linguagens a minha performance. Se antes isso soava pretencioso ou desqualificava minha proposta de linguagem, hoje acredito que posso sim, para me expressar reelaborar minha forma de atuar , até nem precisar me rotular de dançarina, posso estar no caminho de encontrar dançar o vazio, dançar a mais sutil sombra e luz da música, minha dança é muito pessoal, admito que a dança clássica Indiana será sempre a minha técnica preferida,mas seria reduzir minha proposta se fosse a minha única fonte de pesquisa de técnica corpórea. " Porque uma dançarina se é grande , pode dar às pessoas algo que elas vão levar consigo para sempre.Elas nunca esquecerão, e aquilo provocou nelas uma mudança , embora elas possam ignorar isso."

"TEMPOS MODERNOS"

Sou voluntária de uma ONG que tem como missão ajudar e promover conforto emocional e saúde mental a pacientes com depressão e pessoas...